Ovinos DORPER – raça Sul Africana desenvolvida nos anos 30 a partir de cruzamentos de ovelhas Blackhead Persian (conhecida no Brasil como Somalis) com carneiros chifrudos Dorset Horn. Cordeiros produtos destes cruzamentos destacavam-se pelo rápido crescimento e pela qualidade e peso de suas carcaças sendo alguns totalmente brancos (denominação Dorsian), outros com a cabeça e pescoço negros (denominados Dorper).

Posteriormente, a denominação Dorper se estendeu aos dois tipos de pelagem. A diferença de cor é simplesmente um fator de preferência de cada criador. Cerca de 85% dos membros da Associação Sul Africana de Criadores da Raça Dorper criam animais de cabeça preta. A partir de 1946 iniciaram-se os trabalhos de melhoramento da raça, que é numericamente a segunda maior na África do Sul e está difundida em muitos países por sua resistência ao semi-árido, tanto em criação solta como em confinamento.

Características – aptidão carne. Apresenta excepcional adaptabilidade, robustez e excelentes taxas de reprodução e crescimento (cerca de 36 kg de peso vivo entre 3-4 meses de idade (carcaças de 16 kg). A carcaça é de alta qualidade, com relação de carne/osso de 5,2 para 1,0 e ótimo aproveitamento em cortes comerciais. Ganho médio diário de 190 a 330g/dia no período pré-desmama. Sob condições extensivas, o ganho diário pós-desmama é de cerca de 81 a 91 g por dia. Os machos apresentam ótima linha de dorso, profundidade, com volume e consistência; as fêmeas são excelentes mães, com impressionante habilidade materna. Prolificidade média: 1,4 (1,1-1,7) cordeiros por parto. Intervalo entre partos: oito meses (três partos em dois anos). A pele, com uma mistura de pêlo e lã, alcança bons preços e protege os animais sob condições adversas de climas e agentes externos.

Padrão da raça Dorper

Aspecto geral – Ovino simétrico, bem proporcionado ou balanceado, parecendo robusto e musculoso. Temperamento calmo, com uma aparência vigorosa.

Apditões – Carne e pele. No mercado internacional, a pele do Dorper é conhecida com o nome de Cape Glovers

Cabeça – Forte e longa com grandes olhos, bem distanciados e bem protegidos. Testa não achatada. Orelhas proporcionais à cabeça. Pode ser mocha ou aspada, preferindo-se as mochas. Chifres, se surgirem, devem ser pequenos (apenas desenvolvidos na base), embora os grandes sejam admitidos. Sem depósito de gordura na cabeça.

Pescoço – De comprimento médio, largo, bem coberto de carnes.

Corpo – Paletas largas e musculosas, paralelas entre si e bem ligadas ao corpo, não apresentando depressões acentuadas na ligação com o corpo. Peito moderadamente largo, profundo, e moderadamente proeminente em relação às paletas. Tronco longo, profundo e largo, costelas arqueadas, com lombo largo e cheio. Linha dorso-lombar longa e reta.

Membros – Robustos e bem aprumados. Cascos negros, admitindo-se rajas marfinizadas.

Pele – O espaço entre narinas, lábios e pálpebras podem ser rosados no Dorper Branco , e pretos no Dorper (cabeça preta). Pele bem pigmentada no Dorper Branco ao redor dos olhos, abaixo da cauda, no úbere e tetas, admitindo-se manchas de outras cores nas orelhas e abaixo da linha ventral.

Pelagem – O ideal é um ovino branco, com a cor preta limitada à cabeça e pescoço. Pêlos curtos e suaves no corpo, admitindo-se uma leve mistura de lã, a qual cobre a parte superior do corpo deixando livre o peito, a região ventral e os membros, onde os pêlos são mais grossos. Algumas manchas pretas no corpo e pernas são permitidas .